Contar as bênçãos | uma visão sublimada da vida

A cena começa com um bebé num berço e um adolescente que está a tomar conta dele canta uma canção de embalar. Esse adolescente era um “bad boy”, daqueles que todas as raparigas adolescentes gostam. E uma dessas raparigas está perto da porta a observar aquela cena com um sorriso nos lábios. Ele ganhou-a naquele momento. Ela perdeu-se naquele momento. E a canção de embalar continuava a pairar no ar. Contando as tuas bênçãos.
Quando eu era adolescente, havia algumas séries de TV que me ajudaram a ultrapassar momentos maus, outros pouco bons e, também, a celebrar momentos bons. Numa dessas séries, vi a cena que descrevi há pouco e nunca a esqueci. Não só pelo “bad boy”, que na altura achei o máximo, mas pela canção, mais propriamente pela letra da canção. Nela, somos incentivados a contar as nossas bênçãos ao adormecer. A contá-las, em vez de contar carneirinhos quando não conseguimos dormir. E a verdade é que o fiz, muitas vezes, e cantá-la ajudou-me a superar maus momentos.
Muitos anos mais tarde, talvez há uns cinco, voltei a encontrar essa canção de embalar, desta vez cantada por nomes bastante conhecidos como a Diana Krall ou a Amy Grant. Apesar das vozes serem diferentes, a mensagem continua a mesma: agradecer tudo de bom que temos e valorizá-lo, quando as coisas parecem não correr bem.
A Psicologia Positiva tem uma intervenção – um exercício – que se chama mesmo “contar as bênçãos” – e que somos convidados a fazer diariamente, ao final do dia, antes de dormir, numa espécie de apanhado positivo do dia. Faz a diferença. Estudos comprovam que se for feito durante um curto período de tempo – por exemplo de uma semana até vinte e um dias – pode trazer inúmeros benefícios para o nosso bem estar. Exagerar, ou seja, estar sempre a fazer este exercício, pode torná-lo contraproducente, tendo em conta que acabamos por fazê-lo de forma automática, sem realmente sentirmos o que estamos a dizer ou escrever. Importa que tenhamos um olhar mais focado no que temos de bom do que no que nos corre menos bem.

Assim, contar as bênçãos é essencial; mas em dose homeopática, para garantir sucesso. Em períodos mais conturbados, deve ser feito de forma assídua, diariamente, mas em outras alturas devemos fazê-lo mais espaçadamente – semanalmente, por exemplo. O foco no que temos de bom pode ajudar grandemente a termos um olhar mais positivo sobre a nossa vida. Faz toda a diferença.  

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s