Abraçar a Dor, Uncategorized

Abraçar@ Caldas da Rainha

Abraçar @Caldas

No dia 23 de março, acabadinhos de comemorar cinco anos de casamento, rumámos à minha terra-berço, a tão efervescente Caldas da Rainha, para a apresentação do Abraçar a Dor no Museu do Hospital e das Caldas, a convite do  Clube Soroptimist das Caldas da Rainha, através da minha amiga Isabel Vicente.

DSC_0392

Que bom foi poder rever amigos, conhecer novas pessoas e contar com a presença de um professor tão querido, tão especial, que me marcou tanto no ano de estágio pedagógico e, graças a quem sou professora hoje – o Professor Mário Tavares.

DSC_0437

A conversa sobre o livro estendeu-se e de apresentação passámos a tertúlia, que é o modelo de que gosto particularmente, pois todos temos coisas a acrescentar, a completar, nas histórias uns dos outros.

DSC_0478

Estar em casa foi um presente muito feliz. Foi bom poder regressar a casa com algo para oferecer à minha cidade, aos meus conterrâneos. Saí da minha terra em busca de trabalho e não penso em regressar por agora, porque a vida acontece e a minha vida é em Serpa. As raízes estão, neste momento da minha vida, a penetrar a terra Alentejana e, de tantas formas, o Alentejo já me canta na Alma. Mas o meu nascimento foi – e sempre estará – ligado à minha terra de berço, que amo de coração. E onde regressarei, sempre, para continuarmos a crescer juntas.

 

 

livros, Uncategorized

Abraçar a dor – abraçar a fibromialgia

ABRAÇAR A DOR

O mês de julho, que agora finda, viu nascer uma série de fenómenos fantásticos. O meu nascimento, no dia 20, o eclipse lunar no dia 27 e, entre um e outro, a publicação do meu primeiro livro: Abraçar a Dor.

Este sonho, de que eu já falei aqui, nasceu há algum tempo, mas só este ano ficou pronto para ver a luz do sol. No fundo, trata-se de uma viagem através dos últimos anos, em que fui conhecendo melhor quem sou, o que a fibromialgia é, e como somos as duas juntas.

Ao contrário de alguns autores, preferi olhar para aquilo que posso fazer, ao invés de passar páginas e páginas a lamuriar-me de quão mau é viver com fibromialgia. Há pessoas sem fibromialgia que vivem bem pior do que eu, porque têm depressão, têm outras doenças crónicas, ou, simplesmente, têm medo de viver.

Em nenhum momento menosprezo o sofrimento alheio – nem o meu. Apenas abro uma porta (ou pelo menos uma janela) para uma outra forma de viver com a fibromialgia, numa perspetiva de poder pessoal. Tenho fibromialgia, quanto a isso não tenho qualquer controlo, mas tenho o poder pessoal para vivê-la da melhor forma possível.

Ora isso implica trabalho. Detesto fazer exercício físico, mas trabalho duro no ginásio três vezes por semana. Adoro comer, mas faço uma alimentação que adequei depois de ampla investigação sobre o tema da alimentação na fibromialgia. Durmo as horas necessárias, mas não passo a vida deitada, apesar de haver dias em que não me apetece sair da cama. Não tomo medicamentos “indicados” para a fibromialgia pela medicina convencional (por opção minha), mas faço uma suplementação adequada que me equilibra e me mantém funcional. É fácil? Não. Mas é eficaz.

Partindo das minhas reflexões, escrevi, então, este livro, que pode (e deve) ser lido por quem tem fibromialgia, mas também por quem tem Lupus, Doença de Crohn, ou qualquer outra doença crónica. Deve ser, inclusivamente lido, por quem não tem doença nenhuma, mas que deseja ser mais feliz. Porque dores todos temos, mesmo que não sejam físicas.

O livro está disponivel nas lojas FNAC, Bertrand (neste momento com 10% de desconto), Chiado e WOOK (com 20% de desconto). Se preferir adquirir diretamente à autora e beneficiar de uma dedicatória individualizada, então entre em contacto comigo. Mas atreva-se a lê-lo e a partilhar as suas experiências.