livros, Uncategorized

Os meus livros também são teus

FM_os meus livros também são teus

Sempre gostei de ler, desde que aprendi as primeiras palavras. E aprendi que os livros são importantes, que são valiosos, que se devem estimar e que não se devem emprestar.

Durante vários anos da minha vida, cumpri esta regra quase religiosamente. Algumas vezes emprestei livros, que me foram devolvidos em bom estado; outras, devolveram-mos em estado de morte eminente, com as lombadas marcadas e a necessitar de uma intervenção cirúrgica; outros houve que nunca me foram devolvidos. A minna experiência com o empréstimo de livros foi, assim, multipolar.

No ano passado conheci uma amante de livros como eu. Onde quer que nos encontremos – Roma, Tonbridge, Londres – trocamos sugestões de locais onde encontrar livros em segunda mão a bom preço ou ideias para novas leituras, novos autores, novas experiências bibliográficas. A Monica inspirou-me a desapegar-me dos livros. Tenho tantos, e raramente releio um livro, que podem e devem ser partilhados com alguém que os aprecie da mesma forma. Acabámos por criar uma espécie de biblioteca partilhada, em que passamos os livros que lemos de uma mão para a outra e vamos partilhando as nossas experiências de leitura. É tão bom quando estamos juntas – apenas nos encontramos três vezes por ano – porque num espaço de meia hora conseguimos falar de tantos assuntos literários e pessoais que, por vezes, não sabemos quando terminam uns e começam os outros.

Aprendi, também, a disponibilizar livros nas feiras do sótão que se realizam na minha terra. Fazem um sucesso, porque acho que tenho bons livros e porque os passo em frente a um valor que é possível para a maioria das pessoas. Também já cheguei a oferecer livros na feira, a quem não pode pagá-los, só porque determinado livro o chamou. E eu sei muito bem que quando um livro nos chama é necessário lê-lo.

Os meus livros também são teus, porque o desapego é importante. Porque quero ler mais livros, quero comprar mais livros, e não tenho espaço nas prateleiras. Há alguns que nunca sairão das minhas estantes (nunca?), mas há tantos que podem fazer outros corações leitores felizes que não tenho o direito de os manter prisioneiros da minha biblioteca pessoal. Partilhar livros é melhor do que beber cerveja juntos numa qualquer esplanada, embora seja ainda melhor se estas duas atividades forem feitas em simultâneo. Partilhar livros é crescer juntos, é amar juntos, é viver juntos. Para sempre.