Psicologia Positiva, Uncategorized

a importância de permitir-se flutuar em águas agitadas

FM_flutuar

Este final de ano (escolar) tem sido um desafio constante à resiliência, à paciência, à mindfulness, à compreensão e à humildade. Não é fácil. Num momento em que todos estão prestes a ferver como água para café, cada desafio, cada novo pedido, cada frase dita com um tom menos doce é suficiente para que a cafeteira ferva e deite por fora. É importante resistir a essa explosão, mas é necessário que este sentimento de explosão eminente esteja bem claro em nós, para que possamos lidar com ele de forma saudável.

Há uns anos atrás, quando fazia um retiro, a pessoa que o dirigia disse algo deste género: quando estamos vivendo uma situação que se assemelha a um furacão, o melhor é entrar de cabeça para dentro dele, pois no meio do furacão – no olho do furacão – tudo está quieto. Esta imagem sempre me tocou, porque me sinto, muitas vezes revolta por furacões que a vida me coloca para eu crescer enquanto pessoa. Saber isto não evita os furacões, mas evita sofrimentos maiores.

Com o passar do tempo, a imagem do furacão foi-se transformando numa imagem mais relacionada com a água: os ventos desorientam-me e a água é o meu elemento quase natural, pois o meu signo solar é um signo de água. Quando as águas estão agitadas, e estamos a nadar, ou num barco, tentamos, furiosamente, escapar dali, lutar contra as marés e contra as correntes. Mas, por vezes, a vida convida-nos a fazer outra coisa. Flutuar. Deixar-se ir à deriva (será que é mesmo à deriva ou haverá um destino maior?).

Neste momento, em que tanta coisa na minha vida profissional me perturba, escolho ir flutuando. Calmamente, ou fervorosamente, ao sabor da corrente. Deixar de lutar, porque não posso evitar o que os outros fazem ou dizem. Mas posso decidir o que eu vou fazer e como o vou fazer. Essa decisão está nas minhas mãos e não abdico dela.

Assim, o meu convite esta semana é que flutuemos; sem raiva, com algum medo natural, mas com a certeza de que essa escolha é da nossa responsabilidade e pode alterar, completamente, o rumo que levávamos antes. E essa é uma aventura incrível!